sexta-feira, 22 de agosto de 2014

O bilhete da Jujubinha (comportamento das crianças)

          A Júlia, nossa Jujubinha, está brincando de ler e escrever. Já escreveu no encosto do sofá da vovó, com uma canetão... Nossas meninas e o menino também fizeram isso na época deles. Imagino que muitas crianças continuem a fazer isso na casa de seus pais e avôs, meus amigos e leitores.

          Pedi-lhe: "Jujubinha, faz um bilhete para mim?" - Ela pegou uma caneta e fez uns rabiscos  longitudinais. E leu: "Querido vovô, quando você estiver aqui, ande de esteira. E também de bicicleta. E coma pouca tchotcha!" Tchochas são as guloseimas que as pessoas compram nos mercados, geralmente doces ou salgadinhos, e que vão legando gordurinhas sob a pele de quem come muito disso e pouco se exercita...

          O conceito de comida saudável está muito presente nas pessoas, hoje. A mídia vive nos mostrando as opções que podemos fazer para nos conduzirmos de modo a não termos problemas futuros. Indica-nos alimentos saudáveis e bem naturais. E recomenda-nos exercícios diários. Faço isso, procuro seguir as orientações, quero viver com saúde. Mas, o que leva uma criança a pensar assim? A convivência familiar, ora! Mas é claro que não precisamos sacrificar tudo o que é bom para manter a forma, esse composto de saúde e vaidade.

          Outro dia, a Jujuba veio com essa: "Vovô, na próxima Copa, vou ter oito anos. É que tenho quatro e a outra vai ser daqui a mais quatro. Quatro mais quatro é oito! E esta Copa já terminou..."

          Ela tem muitos comportamentos que evidenciam o meio de convivência. Nesta semana, falou para sua mãe: "Mama, como você é professora de Inglês, faça o favor de ler este livro aqui pra mim." E lhe entregou um livro de Inglês.

          As crianças, hoje, estão muito espertas. Atribuo isso a alguns fatores como o de as famílias terem pouco filhos e a atenção de pais, avôs e tios se dirigirem a poucas crianças, normalmente a uma ou duas. Os meios de comunicação eletrônica,  abundantes nas casas de todas as classes, também contribuem muito para isso. E, nas escolas, a interatividade está muito presente. Crianças são estimuladas a movimentar-se, expressar-se, respeitar, ter bons modos e muitas outras coisas  mais ainda em tenra idade. E, as que, além de boas escolas, públicas ou privadas, ainda contam com a presença dos familiares em muitas de suas horas diárias, são privilegiadíssimas.

         Que bom que nós estamos podendo vivenciar isso. Vivemos numa era revolucionária em muitos aspectos, principalmente em termos de inovação tecnológica. Agora, é cuidar para que essas crianças tenham a sustentação AFETIVA necessária e que possam participar de uma sociedade menos deprimida e muito mais feliz!

Euclides Riquetti
22-08-2014

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Na beira do mar

Na beira do mar

Fui me pretear
Na beira do mar.
Preteei-me um pouco
Na beira do mar
Pois queria morenar.

Foram sete manhãs
Foram algumas tardes
Sem alardes
Apenas com saudades...

Apenas com a convicção
De que corpo e coração
Poderiam descansar
Na beira do mar.

E me morenei
Quase me preteei
Na beira do mar
Onde havia gaivotas brancas
E algumas pardas dentre tantas
Que voavam no mar.

Comiam o pão que lhes jogava aquela senhora
Que ali se soleou outrora
Mas que agora
Leva o neto
Esperto
Para ver o mar.

E eu, contemplativo
Fico olhando aquilo
Com a saudade a me  matar
Dos anos que se foram
Passados a sonhar
Vendo a vida passar.
(E s  melancolia a me judiar)
Na beira do mar.

Euclides Riquetti

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

O desconsolo do Amílcar

          Comuniquei-me com o Amílcar. Estava jogando pebolim lá num boteco em General Carneiro. Na verdade é um boteco bem bodega, em que se vendem "secos e molhados", como antigamente. Mas têm mesas de snooker e outros jogos lá. Ele sempre foi fera nesses jogos de mesa, desde os tempos que jogava naquele barzão ali perto do Cine Odeon, na Praça Hercílio Luz, em Porto União. Um que ficava aberto até altas horas da noite... Acho até que nem fechava!

          Desde que perdemos a Copa eu não falava mais com ele. Agora, com a convocação da nova Seleção Brasileira, estava inconformado. O Dunga não poderia ter convocado o Incrível Hulk, "Úque", como diz ele. Diz que só convocaram ele por causa da torcida feminina. Também acho...

         Mas queria saber se a onda do "leite contaminado com formol" ali do Rio Grande do Sul chegou por aqui. Disse-lhe que graças a Deus que não, que aqui no Vale do Rio do Peixe as pessoas são sérias, não tem disso não. Aqui sabotador não se cria... Perguntei-lhe sobre a neta, a filha, o genro, a sua Nena. E foi só mencionar o nome da sua patroa que ele começou com as suas costumeiras lamentações: " Nena, minha véia desdo tempo do Porto num me dá trégua. Agora tá me pegano nos pé porque fiz umas burrada,  mais tudo por curpa dela. Imazine que ela comprô daqueles galón de deterzente de 5 litro e  botô numas garrafinha de água mineral. E dessô uma com ametade  incima da pia. Quándo fui tomá mio remédio,ingoli inté um poco desse deterzente. Quaji que me afonguei. Tinha um gosto muinto amaro, parecia que tinha ingolido mofo de quezo... Ri, né?! Sempre ele entrando nas suas costumeiras frias.

          Mas, para que o assunto não ficasse comprido, mudei para política, pedi como estava vendo as eleições, o candidatos. "Tengo que mi ri, Riquetto. Veza que tem uma tropa de loco falando bobaze no rádio e na televisón. Otro dia, ali perto de Água Dolce, iscutei o programa na Rádia Catarinense, de Zoaçaba. Tinha candidata que falô: "A vida tá salgada, vote na Marisa da Cocada"!  Despois é o Amílca que é o loco!!! Falei que também escutei isso e que muitos dos candidatos nem sabem direito o que dizer e que isso é compreensível.

          Perguntei sobre o que achou da subtituição do candidato Eduardo Campos e lá veio ele: "Óia, Riquetto, eu nem queria acreditá. E você me diz que o avión caio bem pertinho da casa do piá da tua cunhada, lá in Santo. Que levarum um sustón! Acredito, porque num sobrô nada. Mas si salvarum as medaia dele que um pedrero assô. Vi na televisón.... Indaguei sobre o que achava do acidente e veio com isso: "Decerto que quebrô a barra de direçón do aroplano. Se alembra quando quebrô a barra de direçón do zipe do Jaroslau? Pois eu asso que aconteceo a stessa coza cum a direçón do avión... Mais vance sabe que eu num voto na isquerda, que sempre fui da direita, desdo tempo que tava no Batalión ali do Porto. Mais vô dessá pra úrtima hora pra vê in quem vô votá! Sei muito bem como ele é radical, desde o tempo de nossos 18...

          Deixei-lhe um abraço, comprometi-me a visitá-lo quando eu for para União da Vitória. Ou a gente se vê em General ou mesmo em Palmas. Disse que vai matar uma ovelha para comemorar nosso reencontro. E que vai abrir a guaiaca para comprar um cabernet sauvignon para acompanhar...
Vou, certamente encontrar, de novo, o amigo dos tempos de Porto União, o Amílcar.

Euclides Riquetti
21-08-2014

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Transcendendo

Transcendendo

Transcendo
Saio do conforto daqui
Liberto-me de meu céu imaginário
Navego no mundo, solitário
E vou pra perto de ti., de ti, de ti...

Transcendo
Busco as respostas que ainda não tenho
Volto no tenro  passado
Projeto-me o  futuro desejado
Viajo, vou e venho...

Transcendo
Porque acomodar-me é covardia
Porque omitir-me  é vergonhoso
Não combina com meu ser impetuoso
Há a desafiar-me, sempre, a ousadia.

Transcendo
É a maneira que tenho para estar contigo
De tocar tuas mãos e beijar teus lábios
De dizer-te os versos mais raros
De chorar em teu ombro amigo.

Transcendo
Para exercitar minha rebeldia
Para dizer-te de meu encantamento
Para, com todo o arrebatamento
Abrir-te minha  alma, guria...

Transcendo...

Euclides Riquetti

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Na noite em que choveu (perdi o luar...)

Na noite em que choveu, perdi o luar
Perdi as estrelas, perdi a estrada
Só não perdi a madrugada
Que ficou para me afagar...

Afagaram-me o miados da gata
Os latidos da fêmea desconsolada
Os  relinchos da zaina domada
Na noite chuvosa e... ingrata!

Afagou-me a mulher sem nome
Que me desejou bons sonhos
Leves, coloridos, rionhos
Que falou-me ao telefone

Mas, sobretudo, afagou-me quem me acariciou
Me abraçou, beijou, amou
E me fez feliz!


Euclides Riquetti
18-08-2014

domingo, 17 de agosto de 2014

Preciso do vento que vem do mar

Eu preciso do vento que vem do mar
Preciso da lembrança para me embalar
Preciso do sol nas tardes e manhãs
Preciso de ti (nas tardes e manhãs)
E no sonho tenro que a noite me traz.

Preciso afirmar minhas convicções
Rever conceitos que me vêm e apago
Conter meus impulsos e frear emoções
Preciso do alento de teus afagos...

Sou como a mão que alinha tijolos
Dispondo-os simetricamente
Como o profeta que prediz os sonhos
Sonhadamente
Como o poeta que empilha versos
Livremente, harmoniosamente!

Mas preciso de ti para formatá-los
E só para tu lê-los,  decerto
E só tu os ouças por certo.
Preciso...como preciso do vento
Que vem do mar!

Euclides Riquetti

Euclides Riquetti

sábado, 16 de agosto de 2014

De todos os versos, o primeiro

Gastei muito papel, talvez o caderno inteiro
Para escrever o poema ideal
Algo fenomenal
De todos os versos, o primeiro
O bonito, terno, sensacional.

Eu queria, certamente, encantar
Chamar toda a tua atenção
Fazer teu coração balançar
Tua cabeça repensar
Despertar amor e paixão...

Gastei todo o meu papel
Risquei e rabisquei ternamente
Até embaralhei minha mente
Busquei retratar com  pincel
Algo belo e  surpreendente!

Eu queria, certamente, chamar
Toda a sua  atenção
Dos seus olhos cor de mar
Os seus sonhos, seu sonhar
Sua alma e seu coração...

Sinceramente
Verdadeiramente
Apaixonadamente...
Apenas isso!

Euclides Riquetti
16-08-2014

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Todas as rosas do mundo

Imaginei que se eu te mandasse
Todas as rosas que há no mundo
De todas as cores que eu encontrasse
Dos solos mais férteis, mais fecundos
Quem sabe, tu te lembrasses
Que um dia te dei meu amor profundo...

Imaginei que as mais perfumadas
Todas as que estão nos vasos
As amarelas, as brancas, as rosadas
As que se misturam aos cravos
São todas flores abençoadas
Que libertam  os corações escravos.

Mas de que adiantaria
Mandar-te todas as flores
Se tu não as perceberias
Mesmo com seus perfumes e cores?

Assim, dou-te uma única rosa
Dou-ta com amor e paixão
E, quem sabe, com isso eu possa
Conquistar teu coração?

Ah, mas se eu pudesse
Mesmo que tu não quisesses
Eu ter mandaria um montão
De rosas, amor e paixão!

Euclides Riquetti
15-08-2014

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Guardei o meu amor só para ti

Guardei o meu amor, guardei aqui
Deixei bem escondido muito tempo
Guardei só esperando um bom momento
Para dizer que eu o guardei só para ti!

Guardei por muitos anos meu amor
Deixei-o num lugar dentro de mim
Não me peças porque eu agi assim
Mas guardei só para ti com muita dor!

Perguntas e respostas hão de vir
Por que será que eu fiquei calado
Por tantos anos mudo, amedrontado
Perguntas e respostas vão surgir
Mas guardei o meu amor só para ti!

Respostas que eu não tenho mais comigo
Respostas às perguntas indiscretas
Repostas às nossas cartas secretas
Eu te amo e só quero ficar contigo
Guardei o meu amor só para ti!

Euclides Riquetti
14-08-2014

Poe(a)mei verbo perfeito

Poe(a)mei Perfeito

Poe(a)mei um dia
Poe(a)maste também
Poe(a)mou  a menina que lia
Poe(a)mamos como ninguém.
Poe(a)mastes, gurias
Poe(a)maram aqui, e além...

Um simplesTempo Perfeito
Um Indicativo de  Modo refeito
Algo frágil,  despretensioso
Mas um gesto carinhoso...

Com acanhado jeito
Vou ordenando palavras
Pretas, cinzas, alvas
Com ou sem (d)efeito.

É assim meu modo de compor
De meus versos dispor
De passar meu recado.
De expressar meu amor
De esconder minha dor
De amar... e ser  amado!

Euclides Riquetti

terça-feira, 12 de agosto de 2014

A primeira rosa de agosto

Veio, discreta, a primeira rosa de agosto
Vestida de bordô, suavemente perfumada
Veio, risonha, na manhã acanhada
Para alegrar minha vida, por sorriso em meu rosto
Para deixar minha casa... presenteada!

Rosas de agosto são de singular beleza
Vêm para anunciar uma nova primavera
Para nos devolver sua amizade sincera.
Elas vêm vestidas com cor e nobreza
Para compensar os meses de espera...

Rosas de agosto - ternas e  afáveis
Rosas de agosto - olorosas em doçura
Rosas de agosto - formosas e adoráveis
Rosas de agosto - vestidas de candura!

Apaixonei-me pela primeira rosa de agosto
E me apaixonarei pelas outras que virão
Em setembro, com muito gosto
E outras muitas, no calor do verão!

Euclides Riquetti
12-08-2014

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Olhe para o céu anil que nos cobre

Olhe para o céu anil que nos cobre com seu manto
Para os pássaros que voam em direção ao mar
Que nos maravilham com seu belo cantar
E nos abençoa e brinda com seu terno encanto.

Olhe para este céu azul que nos abriga
Que nos abençoa, envolve e nos protege
O grande cobertor que a natureza rege
E nos ampara com sua imensidão amiga.

Olhe e nunca se canse de admirar
Esta fortaleza sutil que domina o infinito
Que inicia nos continentes e que atinge o mar.

E, nos momentos em que se sentir abandonada
Volte seus olhos para este palco tão bonito
E sinta-se por Deus abençoada!

Euclides Riquetti
11-08-2014

domingo, 10 de agosto de 2014

Diamante Negro!

Diamante Negro
Um olhar acanhado, uma sutil timidez
A discrição, a virtuosa e doce sensatez
Uma lembrança, um sorriso,  um segredo!

Diamante que se enobrece com o passar dos anos
O mais singelo, magistralmente  lapidado
Soprepôs-se a tudo pelo tempo já passado
E ainda  resplandece e povoa meus sonhos profanos!

Diamante que exala elegância, charme, sensualidade
Mas que esconde, em si, mistérios indecifráveis
Sentimentos ocultos e infindáveis
Que esbalda a fragrância, o perfume, a veleidade...

Diamante de beleza singular
Diamante negro como a noite mais morena
Divindade cândida, dócil, serena
Preciosidade rara e sem par!

Diamante negro, mais do que um corpo bem esculpido
Mulher amada, musa, anjo deslumbrante
Mulher desejada, tal qual raro diamante
Mulher do sorriso de luz, do olhar eternecido!

Mulher diamante
Amada
Distante
Segredo
Que me traz medo!
Tão rara quanto...
Diamante Negro!

Euclides Riquetti
11-08-2014

Parabéns a você, pai!

Parabéns a você, pai, que em nenhum momento abandonou o seu filho querido
Parabéns a você, filho, que em nenhum instante se esqueceu de seu pai amado
Parabéns a você, pai,  que lhe deu muito amor e muito carinho
Parabéns a você, filho, que retribuiu com respeito ao pai dedicado.

Parabéns, pai, que nunca mediu esforços para que o filho crescesse na harmonia
E buscasse na vida retribuir com honradez e  com dignidade
Parabéns, pai, que renunciou ao conforto pessoal em favor da família
E que, quando teve que partir, deixou em todos muitas saudades.

Parabéns, pai, que exerce a paternidade com responsabilidade
E que coloca, em favor dos filhos, a renúncia aos privilégios
Que sabe educar com carinho, firmeza e amabilidade.

Parabéns a você, pai, que mais do que apenas colocar um filho no mundo
Legou-lhe a dignidade, a educação e os sentimentos mais régios
Que o tornam merecedor de seu reconhecimento e de seu  amor profundo.

Euclides Riquetti
10-08-2014

Ao meu querido pai

Dias sem pássaros, noites sem estrelas
Dias de densas nuvens, o vento a volvê-las
Noites tão escuras, luar contido, ausente
Fazem dos meus sonhos futuro sem presente...

Dias de chuva forte, sem sol, sem luz no céu
Dias sem esperança, cinzento mausoléu
De alguém que foi distante, buscando seu destino
Tombando para sempre, subindo ao céu divino.

Conforto-me em saber que fez o bem na terra
Que pela sua bondade fará novos amigos
No céu que é manto azul, é flor da primavera
Verá,  mais uma vez, seus entes tão queridos.

E entre dias sem lindas noites, noites sem dias lindos
Eu fico recordando, pensando nos já findos
Em que você se foi, naquele longo inverno
Buscando nova vida, buscando o Pai Eterno!

Euclides Riquetti
Composto em julho de 1993.